Páginas

sábado, 25 de junho de 2011

Ele odeia errar!!!

Apesar dessa declarada aversão, Alexandre Costa, fundador da Cacau Show, conta que seu negócio começou com um grande erro, que se transformou no seu maior acerto

Por Silvia Balieiro - Época Negócios

Sérgio Zacchi

Com 17 anos, ao começar o próprio negócio,Alexandre Costa, hoje com 41, visitou  todas as clientes de sua mãe, que trabalhava com vendas porta a porta, para oferecer 
ovos de Páscoa por meio de um catálogo. Conseguiu a encomenda de 2 mil unidades 
de 50 gramas. Por azar (ou sorte), o catálogo era antigo e o produto havia saído de 
linha. Para consertar seu erro, Costa passou dois dias e duas noites produzindo as encomendas numa cozinha “emprestada”. Assim teve início a Cacau Show, maior 
rede de lojas de chocolate do Brasil, com faturamento de R$ 1 bilhão
Eu odeio errar. Acho que ninguém gosta. Não fico bem quando eu erro ou quando 
a equipe erra. Mas é importante ter humildade e reconhecer o erro rapidamente, para 
que a solução também seja rápida.
A equação final de eu ter começado aos 17 anos foi positiva. Do lado bom, a energia para trabalhar é incomum, mas, por outro lado, falta experiência.
Nunca pensei em ser rico. Sempre quis ser independente e mostrar para os meus 
pais que o garotinho mais novo, o caçula da casa, podia ser bem-sucedido.
Não sou deslumbrado. Comprei meu primeiro carro novo há dois anos e meio, 
quando a empresa já era muito estruturada, com mais de 20 anos de existência.
Acompanhar a minha mãe nas suas vendas porta a porta me ajudou muito. Durante a venda, ela era praticamente uma psicóloga, e as clientes compravam os 
produtos como se fosse um pagamento pela terapia.
Se eu tivesse de optar entre ser administrador ou chocolateiro, certamente 
eu ficaria com o lado chocolateiro. Mas a empresa não teria crescido 50% ao ano 
nos últimos sete anos se eu não fosse um trator, não fosse focado e não cobrasse resultados.
Como muito chocolate. Como uns 100 gramas por dia [mordendo um chocolate]. 
São de sete a oito bombons por dia. Depois do almoço, tem a hora da larica e 
tenho de comer chocolate. Sou praticamente um adicto.
Não ter concluído o estudo formal é algo de que me arrependo. Mas o 
tempo é o bem mais democrático que existe e tive de fazer escolhas. Deixei a 
faculdade no terceiro ano para fazer ovo de Páscoa à noite.
Uma coisa que não vivi foi ficar no barzinho tomando cerveja e jogando conversa fora. E não sei o que eu perdi por não fazer isso.
Tenho costume de trabalhar aos sábados. Fazendo as contas, se você pegar
quatro horas por sábado e quatro sábados por mês, são 200 horas por ano, e
em 23 anos de carreira, somam 5,6 mil horas. Se dividir por oito horas por dia,
são 2,5 anos de trabalho. Isso faz diferença. Se formos um pouquinho melhor
que nosso concorrente e trabalhar um pouquinho a mais do que ele, isso vai dar um impacto.
Dormir é perder tempo. Eu queria dormir três horas por dia e ficar satisfeito 
com isso. Mas infelizmente eu preciso dormir oito horas para ficar bem. Meu sonho 
era ter uma pílula saudável que eu pudesse tomar para substituir o sono.
O mais importante na hora de contratar alguém é o brilho nos olhos. Mas 
também é difícil saber o quão verdadeiro é isso. Mas acho que sou um bom contratador.
Para ser bem-sucedido, você tem de fazer aquilo de que não gosta. Todo 
trabalho tem uma parte chata. Eu não gosto de ficar validando números, embora 
eu tenha muita facilidade. Eu olho para uma tela e parece que o erro me chama.
Fonte: Época Negócios - 02/maio/2011

terça-feira, 21 de junho de 2011

A História recente do Brasil...vista pelo lado de cá.

Você conhece a História recente do nosso país? Esse texto que peguei (com autorização) no FB do Marcelo Fróes é uma aula de História e de Cidadania. A cada linha, revive-se fatos da história recente...mesmo para aqueles que não a viveram. Leiam...muito bom texto mesmo. SE GOSTAREM DIVULGUEM< O MARCELO QUER QUE A CARTA DO CARLOS SEJA DIVULGADA
Em março de 1991, um ano após a posse de Fernando Collor de Mello, o telex do Palácio do Planalto recebeu a seguinte carta, redigida por Carlos Fróes (do Sindicato dos Metalúrgicos de Ouro Branco, MG):


CARTA DOS TRABALHADORES AO PRESIDENTE COLLOR

Ouro Branco, 15 de março de 1991

Presidente Collor,

No dia do 1º aniversário de seu governo, a gente quer pedir desculpas por existir e causar tantos problemas a V. Exa.

V. Exa. e vosso cargo são tão importantes e a gente, insensível, fica atrapalhando. Deve ser muito desagradável para V. Exa. e vossos amigos de caminhadas e Cooper, todas elas com cobertura de jornais e TVs, ter de ficar se preocupando com o povo. Aliás, realmente, povo é apenas um detalhe. Desculpe, se por causa disso, está ficando difícil para V. Exa. igualar seus recordes ou batê-los, passando vexames, por causa da gente.

Os passeios de V. Exa. de jet sky, de moto-contrabandeada, de aviões supersônicos, de submarinos, à Antártida e às Ilhas Seychelles que, diga-se de passagem, – não agradaram muito ao vosso refinado gosto, não tem tido a tranqüilidade que V. Exa. merece.

Não poderíamos também deixar de lamentar as críticas do povo, quando de sua árdua aula de sobrevivência na selva amazônica, onde não havia conforto suficiente para o banquete planejado, ao ar livre, com vossa querida família. E, além do mais, ainda teve que ouvir piadas sem graça e cantorias de um ministro que parece não ter mais o que fazer: também pudera, tinha de ser metido a representante de classe trabalhadora, ou seja, do povo.

Desculpe o vexame que a gente fez V. Exa. passar, ao encontrar tão pouquinho de dinheiro em nossas contas bancárias e na poupança. É que a gente é imprevidente; ao invés de guardar dinheiro, a gente fica gastando com comida, com remédios, com transporte. E ainda tem gente que, mal informada, teima em chamar o empréstimo de confisco.

Desculpe, Presidente, nossa burrice e ignorância, teimando em não entender os planos da equipe econômica do Governo, tão transparentes, claros e auto-explicativos.

Desculpe, Presidente Collor, nossa mania de ficar reclamando sempre em cima da mesma coisa: salário e custo de vida. Não nos leve a mal, isto é coisa de gentinha sem visão, sem cultura, sem patriotismo, que não está interessada nos grandes problemas nacionais e só pensa em si próprio e na família.

A gente tem que entender que é essa nossa mania arcaica de receber salários, que está dificultando a V. Exa. atingir vossos objetivos e estimulando a inflação.

A gente tem a triste mania de trabalhar, trabalhar, trabalhar, sem lembrar que os coitados dos patrões têm uma “baita” despesa com os tais salários e ficam sem poder mandar as excelentíssimas famílias para o exterior várias vezes ao ano, sem poder dar suas recepções e festas, regá-las a champanhe francês e whisky importado, regalando os convidados. Pior de tudo é que eles ainda ficam falando mal de V. Exa, que V. Exa. não cumpre os “tratos”, que chama os automóveis que eles fazem de carroças.... Tudo culpa da gente. Ah, que raiva que a gente tem da gente!

Perdoe-nos, Presidente, porque as nossas crianças são mal educadas e mal criadas, ficam com aquelas carinhas de sem vergonha, como se estivessem com fome, fingindo que estão doentes. Tudo mentira delas, olha só as barriguinhas: tudo “cheinha”, redondinhas mesmo. As pequeninas, de colo, então nem se fala. Deram até pra morrer e criar embaraços para as estatísticas do Governo.

A gente devia era to mar vergonha na cara e ter filhos bonitos e elegantes como os seus. Tem uma coisa que a gente ta envergonhado mesmo: não é que alguns cretinos e maus brasileiros deram pra morrer, em frente a hospitais e nos corredores, só pra denegrir a imagem do Governo de V. Exa.?

Desculpe, Presidente, pela cara do povão. Gente esquisita, magra, viciada em filas – principalmente do INAMPS, fingindo de doente. Cá entre nós; só matando aqueles safados que teimam em não ter casa e, ainda por cima, se intitulam de desempregados. Um pouco da culpa disso fica por conta desse povão que não entende o “espírito da coisa” e quer teimar em continuar acreditando naquela de descalços e descamisados. De outra vez, V. Exa. não se misture com essa gente.

Desculpe pelo embaraço que meia dúzia de três ou quatro estão trazendo aos planos de repassar para a iniciativa privada (eles chamam de entreguismo) as nossas empresas públicas. V. Exa., com justa razão, deve estar muito magoado com essa mania do povo de se intrometer nos seus negócios particulares.

Mas nós queremos, nesta data tão bonita, reparar esses erros todos e desagravar V. Exa:
V. Exa. é o maior... !
V. Exa. é muito corajoso e não tem medo de nada!
V. Exa. é ótimo e muito tranqüilo, basta ver nos olhos!
V. Exa. é muito criativo, principalmente em Planos e Medidas Provisórias, para não falar das Medidas de Aprofundamento!
V. Exa. é bonito e muito inteligente. Aliás, concordamos com D. Rosane, quando ela diz que V. Exa. é o mais inteligente que ela conhece!
As camisetas de V. Exa. são chiquérrimas!

Sem mais, receba nossos abraços, extensivos à Ministra Zélia, ao Kandir e ao Eris e a todos os demais membros do Governo.
Recomendações respeitosas à D. Leda, sra. sua mãe.

Sindicato dos Metalúrgicos de Ouro Branco

(íntegra do telex NR. DDC/049/91 enviado ao Presidente da República, na véspera de seu aniversário – 14 de março de 1991)

Três meses depois desta carta, Carlos Fróes faleceu numa mesa de cirurgia em Belo Horizonte. Foi uma tragédia na minha família. Neste dia 21 de junho lá se 20 anos do ocorrido, e a atualidade desta carta – publicada nos jornais da época – me faz republicá-la em homenagem ao tio que tive o privilégio de ter como padrinho.

Um ano e meio depois Fernando Collor tombou.



Por Marcelo Fróes

domingo, 19 de junho de 2011

Falando de Amor...




Se eu pudesse por um dia
Esse amor essa alegria
Eu te juro te daria
Se pudesse esse amor todo dia.
Chega perto
Vem sem medo
Chega mais meu coração
Vem ouvir esse segredo
Escondido num choro-canção.
Se soubesses
Como eu gosto
Do teu cheiro teu jeito de flor
Não negavas um beijinho
A quem anda perdido de amor.
Chora flauta
Chora pinho
Chora eu o teu cantor
Chora manso bem baixinho
Nesse choro falando de amor.
Vem depressa, vem sem medo
Foi pra ti meu coração
Que eu guardei esse segredo
Escondido num choro-canção.
Quando passas
Tão bonita
Nessa rua banhada de sol
Minha alma segue aflita
E eu me esqueço até do futebol.
Vem depressa, vem sem medo
Foi pra ti meu coração
Que eu guardei esse segredo
Escondido num choro-canção
Lá no fundo do meu coração.
Homenagem ao sessentão ( e que sessentão) Chico Buarque - 19 de junho de 1944.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Não precisamos de Educação...



NÃO PRECISAMOS DE PROFESSORES
AFINAL....
PARA QUE SER UM PAIS DE 1° MUNDO SE ESTÁ BOM ASSIM.
Ronaldinho Gaúcho: R$ 1.400.000,00 por mês.
"Homenageado na Academia Brasileira de Letras"... LETRADO ELE
Tiririca: R$ 36.000,00 por mês, fora os auxílios e mordomias;
"Membro da Comissão de Educação e Cultura do Congresso"...COMO DIZ OS GAÚCHOS 
- TCHÊ...  QUE TAL?
TRADUZINDO, O SALÁRIO DO PALHAÇO AI, PAGA SÓ 30 PROFESSORES, E PARA AQUELES QUE ACHAM QUE EDUCAÇÃO NÃO É IMPORTANTE, CONTRATA O TIRIRICA PARA DAR AULA PARA SEU FILHO.

Um funcionário da Sadia (nada contra) ganha hoje o mesmo salário de um ACT ou um professor iniciante, levando em consideração para trabalhar na empresa você precisa ter o fundamental, ou seja, de que adianta estudar, fazer pós e mestrado?

Piso Nacional dos professores: R$ 1.187,00...
Moral da História:
Os professores ganham pouco, porque só servem para nos ensinar coisas inúteis como: ler, escrever e pensar.
Sugestão:
Mudar a grade curricular das escolas, que passaria a ter as seguintes matérias:
- Educação Física: Futebol
- Música: Sertaneja, Pagode, Axé
- História: Grandes Personagens da Corrupção Brasileira
                 Biografia dos Heróis do Big Brother
             Evolução do Pensamento das "Celebridades"

- História da Arte: De Carla Perez a Faustão
- Matemática: Multiplicação Fraudulenta do Dinheiro de Campanha
Cálculo Percentual de Comissões e Propinas
- Português e Literatura:
??????????????????????? Para quê??????????? ???????????
- Biologia, Física e Química:
 Excluídas por excesso de complexidade
Está bom? Ou quer mais????
Recebi esse texto por email do meu amigo James Wagner...muito bom!!!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

As coisas que as pessoas dizem...

Tenho uma amiga...sabe dessas amigas que você já nem lembra mais desde de quando? Ela é o maior barato, todo mundo gosta demais dela, divertidíssima...pois bem, dia desses, fomos num grupo comer pizza - papo vai papo vem, saiu um assunto sobre dinossauros...ela vira e diz bem alto: dinossauros? aqueles bichos enormes? nossa faz tanto tempo que eu não vejo um!!! Foi aquela parada geral (garfo parou a caminho da boca) e em seguida a explosão de gargalhadas...ela com a maior cara de quem não estava entendendo ainda perguntou: que foi???
Mas pensa que ela se deu por satisfeita? Não!! Mudamos o papo e ela ficou de chamego com o namorado, quando ela ouve, assim no meio da conversa: ah isso é lenda urbana!!  Ela para parecer entendida vira e pergunta: Lenda urbana? Mas eles ainda cantam? Adoro o marido da Malu Mader!!!!
Tem muitas outras...muitas mesmo...mas fica para um próximo post.
Ótimo dia para todos...carregadinho de coisas boas!
Beijos doces e perfumados!!

terça-feira, 14 de junho de 2011

Ramarim - meu sonho de consumo

                                             Estou apaixonada por esse sapato - ele é muito lindo!!!
                                                               Foto: www.ramarim.com,br

segunda-feira, 13 de junho de 2011

10 anos de saudades!!!

Marcelo Fromer - o inesquecível Titã!!!!

Para ler e gostar...Fernando Pessoa.

Hoje Fernando Pessoa completaria 123 anos...ao grande poeta uma pequena homenagem.


O poeta é um fingidor
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.


Ótima semana à todos...com muitas coisas boas acontecendo.
Beijos doces e perfumados.

domingo, 12 de junho de 2011

Quero Educação!!!

Para ler e gostar...Mário Quintana

Canção do dia de sempre...


Tão bom viver dia a dia...
A vida assim, jamais cansa...

Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Moral da História

Um coelhinho felpudo estava fazendo suas necessidades matinais quando olha para o lado, e vê um enorme urso fazendo o mesmo.O urso se vira para ele e diz:
 - Hei, coelhinho, você solta pêlos?
O coelhinho, vaidoso e indignado, respondeu:-
De jeito nenhum, venho de uma linhagem muito boa...
Então o urso pegou o coelhinho e limpou a bunda com ele.
MORAL DA HISTÓRIA
CUIDADO COM AS RESPOSTAS PRECIPITADAS,
PENSE BEM NAS POSSÍVEIS CONSEQÜÊNCIAS ANTES DE RESPONDER!
No dia seguinte, o leão, ao passar pelo urso diz:
- Aí, hein, seu urso! Com toda essa pinta de bravo, fortão, bombado...!Te vi ontem, dando o rabo prum coelhinho felpudo.Já contei pra todo mundo!!
MORAL DA MORAL:
VOCÊ PODE ATÉ SACANEAR ALGUÉM, MAS LEMBRE-SE QUE SEMPRE EXISTE ALGUÉM MAIS FILHO DA PUTA QUE VOCÊ!
O Problema do Brasil é que, quem elege os governantes não é o pessoal que lê o jornal, ...e sim o pessoal que limpa a bunda com  ele'!

Peguei esse texto no FB da Veridiani Ribeiro...valeu Veri!!!

A pergunta que não quer calar...

Por que eu preciso passar o Dia dos Namorados com namorado?
 Eu passo a Páscoa com o Coelhinho ou o Natal com o Papai Noel? Então?

domingo, 5 de junho de 2011

Fique de olho!!!

G1 seleciona dez itens que foram tendência no Fashion Rio

Semana de moda aconteceu no Píer Mauá, no Centro do Rio. 
Estação será marcada por sofisticação e por estilo despojado
.

Heloísa MarraEspecial para o G1, do Rio
Colorido e repleto de estampas, o verão 2012 baniu a silhueta arquitetura e aposta agora numa forma mais fluida e relaxada de vestir. Conforto, viver bem, esporte e tropicalismo marcam uma estação sofisticada em sedas e linhos com a participação especial do jeans.
Para as consultoras de moda Constanza Pascolato e Gloria Kalil, essa edição do Fashion Rio foi bem variada. Saias longas, biquínis mais comportados, acessórios bem coloridos e sapatos estilo oxford e coturno são apostas para a próxima estação. Veja no vídeo ao lado.
Abaixo, confira os dez itens selecionados pelo G1 que foram tendência na edição de verão do Fashion Rio:
Peças chaves: o vestido assimétrico, curto na frente e comprido atrás; os separates, blusas e saias dando ideia de vestido; a pantalona; o macacão; a saia longa; o top.
Cores: turquesa, cinza, amarelo, vermelho, laranja, muito branco com detalhes coloridos.
Inspiração: Copacabana, a natureza tropical, a lingerie, esportes náuticos, o art déco, as geometrias à la Mondrian, Escandinávia e camponesas, a riqueza do estilo clubber.
Alfaiataria zen: ternos fluidos, paletós e coletes em seda, pantalonas molinhas constroem uma nova alfaiataria mais tranqüila longe de estruturas e ombreiras.
Efeitos: a transparência até para os homens, o plissado, as assimetrias, as franjas, o tressé em cintos, sandálias e acessórios, a cestaria.
Decotes: fendas profundas, vazados nas laterais e nas costas, muito tomara-que-caia e muita frente-única.
Tecidos: o linho cru, as sedas, o índigo, os tecnológicos, a volta do chamois e o couro com textura de croco e de cobra.
Acessórios: de madeira, de couro pintado, de laca colorida, pérolas com cordas, de resina e murano. Gargantilhas e colares em alta, brincos maiores usados numa orelha só.
Sapatos: salto anabela trabalhado em corda, palha, ráfia ou resina, sandálias mais fechadas, oxfords e coturnos de lona vazados, sandálias altas de dedo ou em tiras de couro em texturas e cores diferentes.
Lençomania: na cabeça, na modelagem da roupa, na cintura, os lenços viram mania no verão.
Raica, Cintia Dicker e Bianca Fialho com os modelos do verão 2012 da Lenny. (Foto: Raul Zito/G1)Raica, Cintia Dicker e Bianca Fialho com os modelos do verão 2012 da Lenny. (Foto: Raul Zito/G1

Brigadeiro para arrumar namorado

Ateliê Maria Brigadeiro lança kit especial para solteiras que procuram uma ajudinha de Santo Antônio

Por Casa e Jardim Online
Divulgação
Se você está em busca de um namorado e se desespera a cada ano com a chegada do dia 12 de junho, a solução para seus problemas pode estar em um pote de brigadeiro. Não. Nós não estamos sugerindo que você compense sua mágoa exagerando no doce. É que o ateliê Maria Brigadeiro acaba de lançar um kit especial para as solteiras, com direito a um empurrãozinho de Santo Antônio, que tem fama de “casamenteiro”.

O conjunto é composto por um vidro com 100 gramas debrigadeiro de colher. No fundo do pote, você encontra uma letra surpresa do alfabeto, que sugere a inicial do nome de seu futuro par. Além disso, há uma receita de simpatia para arranjar um namorado, uma imagem de Santo Antônio, um tercinho e uma oração. Tudo embalado em uma charmosa bolsinha estampada.

“Não pode comprar, tem que ganhar”, ensina a doceiraJuliana Motter, dona do ateliê. Uma ótima ideia para trocar presentes com as amigas solteiras no dia dos namorados e espantar a tristeza, o kit sai por R$ 45. E tem mais: a cada compra R$ 2 são doados para as obras assistenciais da Igreja de Santo Antônio, no centro deSão Paulo

5 de junho - Dia do Meio Ambiente

Leiam atentamente esse texto:
Desastre naturais aumentam de intensidade e frequência no Brasil com mudanças climáticas



O cenário natural do Brasil, tradicionalmente famoso por quase não ser acometido por desastres como terremotos, maremotos, tufões e tornados, vem mudando recentemente, desde que se registrou no mundo que a temperatura global tem aumentado, em função das mudanças climáticas.
Hoje, principalmente no verão, já é realidade ocorrências como enchentes de grandes proporções, que terminam em deslizamentos de terra, inundação de cidades e, não só com perdas materiais, mas registram-se mortes e vê-se famílias inteiras desabrigadas.
Este ano, por exemplo, no Rio de Janeiro, na tragédia da região serrana, foram 916 mortos e 345 pessoas continuam desaparecidas embaixo de toneladas de terra e escombros que desceram morro abaixo. A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro chegou a criar uma comissão parlamentar de inquérito para apurar as responsabilidades sobre as proporções da tragédia. A investigação ficou conhecida como a CPI das Chuvas.
O presidente da CPI, Luiz Paulo Corrêa da Rocha (PSDB), alerta que o Brasil não está preparado para enfrentar esses desastres naturais. “A urbanização nas cidades cresce e as ocupações em áreas de risco e em margens de rios continuam a ocorrer. As chuvas estão cada vez mais curtas e de maior intensidade”, diz.
O chefe da Comunicação da Defesa Civil de Minas Gerais, Major Edilan Arruda, lembra que os problemas se repetem todos os anos porque o excesso de chuva provoca a transbordamento dos rios e as enxurradas. “Como o homem construiu muito próximo aos rios, a tendência natural é que, quando chova muito, os rios venham a subir e, necessariamente, vão ocupar o espaço que hoje está construído. Há excesso de água dentro da cidade, que não escorre pelas canalizações e fica em cima das ruas. Isso produz o que chamamos de enxurrada”, afirma.
Ainda que deslizamento seja um fator natural, quando da ocorrência de chuvas, como lembra o professor do Departamento de Geociências da Universidade Federal de Santa Catarina Luiz Fernando Scheibe, por outro lado, a ocupação irregular do terreno é uma questão cultural no Brasil que amplia a dimensão dos problemas quando ocorre um deslizamento.
“A culpa reside especialmente no fato de não ter havido uma fiscalização e que o município tenha coibido a habitação nessas áreas. Não deveria ser permitido, mas foi permitido irregularmente”, aponta. Outro problema que pode aumentar a incidência de temporais, na opinião de Scheibe, é o desmatamento das florestas.
O ecologista e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro Rui Cerqueira corrobora a análise e explica que a sequência das chuvas depende das matas porque não é a quantidade total de chuvas só que importa. “Se as matas são derrubadas, o número de dias de chuvas diminui e as chuvas ficam mais intensas, causando mais enchentes e contribuindo para a ocorrência da erosão”
Deográcia Pinto - Agência Brasil - Brasília - UOL
Achei esse texto bem pertinente para o dia de hoje.
.

sábado, 4 de junho de 2011

Os Homens

Os homens bons são feios.
Os homens bonitos não são bons.
Os homens bonitos e bons são gays.
Os homens bonitos, bons e heterossexuais estão casados.
Os homens que não são bonitos, mas são bons, não têm dinheiro.
Os homens que não são bonitos, mas que são bons e com dinheiro, pensam que só estamos atrás de seu dinheiro.
Os homens bonitos, que não são bons e são heterossexuais, não acham que somos suficientemente bonitas.
Os homens que nos acham bonitas, que são heterossexuais, bons e têm dinheiro são covardes.
Os homens que são bonitos, bons, têm dinheiro e graças a Deus são heterossexuais, são tímidos e
NUNCA DÃO O PRIMEIRO PASSO!



Recebi esse texto por email. É atribuído à Vinícius de Moraes (não sei - se alguém souber se a informação está correta ou não, dá um alô).
Ótimo sábado para todos.
Beijos doces e perfumados!!!