Páginas

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Desabafo!!!!

Sempre ensinei minha filha que gentileza gera gentileza...atitudes de consideração geram atitudes de consideração...ela sempre soube usar as tais palavrinhas mágicas: por favor, com licença, muito obrigada. O mesmo se aplica aos meus alunos...eles (minha filha e meus alunos) sempre tiveram as melhores referências no que conserne a atitudes e valores. Sempre receberam de mim o mesmo respeito que os ensinei a ter com as pessoas.
Hoje minha filha chegou chocada da escola. Percebi que alguma coisa não estava bem e que ela queria falar alguma coisa, mas ela ficou por ali enrolando e não falou nada. Mais tarde, enquanto estavamos à mesa tomando um lanche, ela começou a contar o que havia acontecido. Juro perdi a fome e senti muita raiva.
Uns dias antes, minha filha sofreu um pequeno acidente e precisou ficar afastada da escola, por ordens médicas. Acontece que a escola onde ela estuda fica em uma cidade vizinha e não tiha como entregar as tarefas...mas tudo bem, liguei na escola e ficou acordado que as tarefas seriam entregues quando ela voltasse para a escola.
Quarta-feira ela voltou para a escola e levou as tarefas que foram entregues no local de costume. Hoje, durante a aula, o professor F. passou a entregar as tarefas corrigidas, sempre com um comentário sarcástico a cada tarefa entregue.
A tarefa da Manoela foi corrigida na sala de aula - tudo bem, ela entregou por último, mas não acredito que ele precisasse realmente corrigir ali - enquanto corrigia, ele fazia caras e bocas e claro todos percebiam isso e no que implicava.
Ao terminar de corrigir a tarefa, o professor jogou a mesma de qualquer jeito e comentou: "pior que isso não podia ser!".
Tudo bem! A tarefa poderia até não estar de acordo com as expectativas dele, que pediu que os alunos fizessem um resumo da obra de 3 autores e depois copiassem e colassem um poema de cada um deles, tecendo breves comentários. Ocorre que não temos impressora em casa, e portanto a Manu copiou os poemas, ou seja, o trabalho que foi exaustivamente pesquisado, foi manuscrito. Ela realmente pesquisou bastante para poder fazer a tarefa, pois ela é muito exigente com suas coisas.
Mas o mérito da questão não é esse.
O grande problema é a humilhação que ela sofreu perante os colegas, que diga-se de passagem ficaram indignados com a atitude do professor F.
Se o trabalho não estava a altura, que não desse nota, desse um ZERO e tudo bem. Mas ele disse que o trabalho estava uma porcaria e não deu os parâmetros que utilizou para essa conclusão.
Sempre instrui, como coordenadora pedagógica, que meus professores mostrassem para seus (nossos)alunos onde estava o erro e porque, indagando onde e como, ele (aluno) , havia chegado a aquele resultado ou resposta. O professor disse que estava muito ruim e deu nota um...mas está certo né? A maioria esmagadora da turma não entregou a tarefa e para esses, ele não disse nada...vale mais não fazer...não tem nota, mas não tem humilhação.
O pior é que a Manoela tinha muita admiração por esse professor.
Sempre acreditei que o professor deve ser admirado por seus alunos...o aluno se espelha no que o professor é...
Se ele não gostou do trabalho, falasse com ela em um tom baixo ( apenas para ela) e não a colocasse em uma situação vexatória perante a turma.
Eu tenho muito orgulho da minha filha, por seu comportamento, por suas atitudes e também por suas notas. E tenho certeza que a grande maioria de seus professores concordam comigo.
Quero deixar clara, minha admiração pela escola, pelos professores, coordenação e funcionários.
A escola é excelente e foi escolhida pela admiração que senti pelo coordenador P., pela postura correta e digna que teve com os pais que foram conhecer a escola antes da matrícula.
O que me deixa mais indignada com o que aconteceu é que faltam 30 dias para o Enem e 60 dias para o primeiro vestibular...e essa atitude do professor pode colocar por terra o trabalho de 3 anos dos outros professores e mesmo o dele.
Hoje a Manoela se sentiu menosprezada, ou nas palavras dela "um lixo".
Esse professor que tem um ão no final do apelido, hoje mostrou que na realidade é um "inho".
Amanhã vou conversar com o P. e vamos ver o que acontece.
Desculpem o desabafo, mas eu precisava colocar para fora minha indignação.
Beijos doces e perfumados...linda noite para todos.

6 comentários:

  1. Majju querida

    O que ocorreu foi assédio moral, não tenha dúvida e não deixe passar.
    Há diversos artigos na internet sobre esse problema, vc deve conhecer.
    Por exemplo:

    "É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.(Art. 18 do ECA). Algumas categorias envolvendo constrangimento e humilhação:
    - agressão física: ameaçar ou agredir fisicamente o aluno, atirar objetos no aluno para chamar sua atenção
    - agressão verbal ao aluno: usar de forma abusiva a autoridade, tratar de forma pejorativa o aluno com palavras de baixo calão
    - ameaças aos alunos: aumentar o nível da dificuldade das provas, ameaçar reprovar a turma se não estudarem, ameaçar de expulsão quem opina em sala de aula.
    - acusação agressiva e sem prova: alegar de forma agressiva e sem prova que os alunos colaram, revistar de forma agressiva o material dos alunos.
    - assédio sexual: assediar sexualmente o aluno convidando-o a ir à casa do professor,incitando-o a manter relações sexuais proponde-lhe permuta de notas
    - comentários depreciativos, preconceituosos ou indecorosos: sobre orientação sexual, aparência ou deficiência física, criticar a profissão do aluno, criticar religião, queixar-se em sala de aula ou perante outros alunos da vida pessoal do aluno, tecer comentários pejorativos sobre habilidades, seu nome
    - tratamento discriminatório: devido a aparência física ou condição financeira, discriminar alunos com idade mais avançada, privilegiar alunos com maior facilidade de aprendizagem
    - rebaixamento da capacidade cognitiva dos alunos: comparar alunos de forma irônica, aconselhar alunos a abandonar curso alegando incapacidade do mesmo, enaltecer conhecimentos próprios, fazer comentários em público sobre dificuldades, desempenho e erros dos alunos
    - desinteresse e omissão; não repassar orientaçãoes para trabalhos, desinteresse ao ministrar conteúdo
    - uso inadequado de instrumentos pedagógicos: exercícios valendo nota, prova sem tempo hábil."
    fonte:
    http://pt.shvoong.com/law-and-politics/1876755-ass%C3%A9dio-moral-nas-escolas/

    Lamento muito que essa injustiça tenha acontecido com a Manoela, graças a Deus ela conseguiu te contar, não deixe passar em branco, mesmo que tentem minimizar a importância da agressão.

    Um beijo no teu coração de mãe,

    ResponderExcluir
  2. Oi Ma!

    Mas que coisa mais irritante, amiga.

    Olha, eu passei por isso no segundo grau com um prof. de biologia, o maldito Raul.

    Ele escolhia as provas a dedo e lia as resposats erradas em voz alta pra toda sala de aula cair na risada.

    Eu, que já sofria bulliyng e não entendia a matéria dele naquele semestre, passei a ser mais perseguida ainda. Ele sempre me gozava em aula, era uma perseguição. A achincalhação foi tanta que sempre voltava chorando e até mudei de sala de aula pra ver se melhorava.

    Anos depois, eu já na fakul, vim de férias pra minha cidade e o encontrei aqui no nosso mercado fazendo compras. Ele veio todo pimpão me cumprimentar: oi, se lembra de mim, fui seu prof. e talss....

    Juro que não tive coragem de estender a mão pra ele, fiquei ali gelada, suando frio e com taquicardia. O trauma havia sido tão gde que depois 5 anos ele ainda me dava náuseas... Virei a cara pra ele (minha mãe jura que fiz cara de nojo, nem me lembro) e corri pra casa. Chegando lá vomitei.

    Meus pais, que nunca souberam de nada, nem entenderam minha reação diante dele. E, depois de 5 anos, nem entrei em detalhes, deixei pra lá.

    Ele já faleceu, deve estar de braços dados com o capeta...rs

    Portanto, amiga, vc faz em correr atrás desse preju e cobrar à altura um posicionamento da escola, responsável por este péssimo profissional!!

    Do contrário isto poderá marcar tua filha por muitos anos, como aconteceu comigo.

    Para Manuela: Força Manu! A culpa não é tua, portanto não carregue este trauma consigo!

    Beijoooo

    ResponderExcluir
  3. oi Majju

    pelo que conheço de ti e da Manu tenho certeza que é um amenina de ouro e não merecia esse tratamento.... é uma pessoas linda e sensível.
    Estais perfeitamente correta ao denunciar essa postura pra que ele nunca mais faça algo assim.
    bjus amiga, depois nos conte como ficou a situação.
    bjus na Manu!!!

    ResponderExcluir
  4. Majju,

    Obrigada pelo carinho!

    Beijo,

    ResponderExcluir
  5. Oi Majju
    Que postura desagadável vinda de um mestre, não?
    Também sou mãe de 2 meninas(moças), graças a Deus elas não passaram por uma situação destas, mais imagino sua indignação e revolta.
    Um beijo pra você!

    ResponderExcluir
  6. Majju,

    Nada justifica a humilhação. Não seria a escola o local para aprender?
    Não deixe por isso mesmo, vá até as últimas conseqüências e exija uma retratação do professor.
    Beijos

    ResponderExcluir